1. Quais as diferenças entre acúmulo de função e desvio de função?

Quando o empregado é contratado para exercer determinada função, mas acaba realizando outra função distinta por exigência do empregador, ocorre o chamado desvio de função. 


É importante destacar que o desvio de função não pode ser eventual ou excepcional. 


É como se o empregado tivesse mudado de função completamente no seu dia a dia, sem que as demais condições do contrato de trabalho tenham se alterado.



Já no acúmulo de função, o trabalhador passa a desempenhar mais funções além daquelas que foram acordadas junto ao empregador. 

Existe, portanto, um aumento das atividades diárias, com funções que não são da sua atribuição, gerando assim maior desgaste físico e psicológico.

Como o empregado é considerado uma parte mais vulnerável dentro da relação trabalhista e muitas vezes se vê coagido a aceitar esse tipo de situação para não perder o emprego, a legislação prevê soluções e a punição do empregador que descumpre o contrato de trabalho.

 


MÃO DE OBRA DESQUALIFICADA

Crescimento econômico do Brasil revela um problema que a muito já é enfrentado por países desenvolvidos: 

A falta de mão-de-obra qualificada.

O crescimento econômico que o Brasil está vivenciando, trouxe à tona um antigo problema que já é muito comum em países desenvolvidos: a mão de obra qualificada é precária. 

Este entrave leva muitas empresas a enfrentarem dificuldades na expansão de seus negócios. 

Segundo um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), somente 18% dos trabalhadores que buscam emprego no país tem algum tipo de qualificação, o que eleva para 7,5 milhões o número de trabalhadores sem qualquer qualificação ou experiência buscando trabalho no Brasil.


 “Estes dados revelam uma verdadeira tragédia nacional, que é a desqualificação de uma parte considerável da força de trabalho”. 

“Isto não é ruim apenas para estes profissionais, mas também para as empresas, que enfrentam mercados cada vez mais competitivos, inclusive competindo com produtos importados, sem o suporte de uma mão-de-obra preparada para atuar com qualidade”, assinala Ralph Arcanjo Chelotti, Presidente da ABRH-Nacional Associação Brasileira de Recursos Humanos.


MÃO DE OBRA TERCERIZADA VALE A PENA?


A terceirização de mão de obra é uma estratégia que está em alta nas empresas modernas, permitindo que façam a gestão de suas atividades sob o controle e o acompanhamento de outra companhia.

Melhora na qualidade dos serviços

Ao terceirizar algumas atividades, como a de limpeza e de segurança, a especialização do fornecedor nesses campos permite que forneça serviços de alta qualidade.


Isso porque a empresa contratante terá especialistas em todas as etapas terceirizadas na sua operação e contará com profissionais que têm know-how e conhecimentos técnicos diferenciados, capacitados para exercer as atividades previstas com excelência.

Hoje, a melhoria da qualidade é um requisito ao quais as empresas contratantes visam muito, pois uma equipe bem treinada e competente faz muito mais em menos tempo e entrega os resultados que são esperados.


Ausência de vínculo empregatício

Em julho de 2017, com a publicação da Reforma Trabalhista mediante a Lei n.º 13.467, foi liberada no Brasil a terceirização de mão de obra ampla e irrestrita, sem configuração de vínculo empregatício.


Anteriormente, os trabalhadores terceirizados só podiam desempenhar atividades-meio — como recepção, jardinagem, limpeza e segurança —, mas, com a aprovação dessa nova lei da terceirização, passam a poder exercer qualquer função, até mesmo a atividade principal da empresa contratante.


Independentemente de qual for a atividade que necessite de mão de obra, agora a empresa terá liberdade para escolher pelo serviço terceirizado, que conferirá mais produtividade, agilidade e especialização do trabalho, tendo em vista que muitos dos trâmites pertinentes dessa operação não serão suas obrigações.

Redução de gastos

Alguns custos referentes à contratação de capital humano são minimizados quando a operação de terceirização é aplicada na organização. 


O reflexo impacta positivamente na gestão de pessoas e na gestão administrativa, uma vez que a empresa contratada é a responsável pela captação, treinamento e gestão de funcionários.


Dessa forma, gastos financeiros com salários, seguros, férias e benefícios não recairão sobre o contratante, e nem essa gestão de documentos.


 E, ainda, o cliente fica livre de questões trabalhistas, contando com o benefício indireto de ter aqueles funcionários à sua disposição apenas quando for preciso.


Ou seja, se precisar reduzir ou aumentar a quantidade de colaboradores nas áreas de segurança ou limpeza, não haverá problemas: basta negociar com a empresa de terceirização para realizar o trabalho de acordo com as preferências da contratante.

Desse jeito, não é preciso manter uma equipe fixa — que, eventualmente, pode ter ociosidade no trabalho ou sobrecarga —, já que a responsabilidade por essa manutenção fica a cargo da terceirizada.


Segurança na contratação


O processo de contratação de um funcionário pode apresentar algumas falhas, e uma contratação indevida pode trazer reflexos negativos para o âmbito organizacional. 


Especificamente sobre o serviço de segurança, a empresa pode contratar um profissional que declara habilidades que não têm ou que, até mesmo, repassa informações sigilosas para outras organizações.


Porém, quando se contrata uma empresa para terceirizar esse tipo de serviço, não há com o que se preocupar. 

A companhia que cede a mão de obra precisa atender a várias normas, incluindo a especialização dos funcionários.

A terceirização do serviço de segurança é garantia de um serviço altamente qualificado. 

A empresa que terceiriza conta com uma equipe de vigilantes que tem o know-how certificado e que assume a habilidade e a idoneidade necessária. 

Afinal, essa é uma área tão específica e delicada que é melhor não se arriscar.






ROTATIVIDADE DE FUNÇÃO

A rotatividade de funções ajuda os empregadores, assim como os funcionários a identificar seus conhecimentos, habilidades e atitudes. 

Pode ser usado para determinar quem precisa melhorar as suas competências tendo em vista alcançar um desempenho melhor.